TIJP 46 - Transformação digital no Japão, já foi ou ainda será?

publicado em 24 de abril de 2021
compartilhar

A palavra/sigla do momento no Japão é "DX" ou "Digital Transformation"

Atualização: Arrumado erro de português apontado por Anderson Miyada.

O fenômeno da transformação digital, ou DX, não é novo, ele está acontecendo no mundo todo a muito tempo. Mesmo no Japão, que é o nosso foco, ele foi definido pela IDC Japan em 2016. Porém ele só ganhou força mesmo no ano passado após o governo anunciar sua intenção de acelerar e impulsionar o DegitaruKA (デジタル化), ou digitalização.

Mundo analógico

Por mais que o Japão tenha uma imagem de extremamente avançado tecnologicamente, essa não é a realidade do nosso dia a dia. Não me entendam errado, já apontei anteriormente que aqui temos avanços tecnológicos fantásticos, isso é fato, mas principalmente nos procedimentos e integração com o mundo digital, tecnologias utilizadas, o Japão está atrasado.

A grande maioria de nós detesta mudanças. Quem nunca reclamou de mudanças de interface em um software que você utiliza? Ou do website que visita? Agora imagina ter que aprender um software para fazer o mesmo trabalho que você está acostumado a fazer na mão, papel e caneta, o que por de quebra ainda é mais rápido que utilizar o computador?
Não atoa temos aqueles ditado "Em time que está ganhando não se meche." ou "Pra que consertar o que não está estragado?". Por mais irônico que seja, o pais que exportou mundo a fora o conceito do Kaizen, ou Melhorias constantes, é o mesmo país mais relutante em mudar.

Eu sei que digitalização não é simples e tem que ser analisado caso a caso, e se conhecemos bem o Japão, eles tem a tendência de utilizar o PDCA, mas sem o D, criando assim um PCA em que eles planejam, checam os planos e ajustam, rodando nesse ciclo até estarem todos satisfeitos e poderem finalmente irem para o D, ou executar. Além disso, japoneses em geral, não são conhecidos por expor suas idéias e dificilmente compartilham o que pensam, com isso criamos as famosas reuniões japonesas em que existem reuniões para definir como será a reunião, longas horas sem definir nada ou demorar 2 horas só para definir a cor da fonte do site.

Levando isso em consideração, o melhor é continua no papel mesmo, funciona, já sabemos o que fazer se dar problema, não tem que investir em infraestrutura ou aprendizado.

2020

A digitalização é algo inevitável e iria acontecer ao longo dos anos, mas ninguém esperava por 2020! Sem entrar em detalhes sobre o COVID 19, ele trouxe a tona o quanto todos nós e nossos sistemas são frágeis.

Veio a tona o quanto o Japão é analógico e despreparado para o mundo digital. Um pequeno exemplo é quanto ao auxílio financeiro do governo a todos habitantes.

Temos algo aqui que se chama My Number Card, que seria como o CPF do Brasil, porem diferente do CPF ele não é obrigatório e que é relativamente recente, foi criado em 2016. Quem tem tal cartão, pode fazer o requerimento do auxilio via aplicativo de smartphone ou internet, em contrapartida, quem não possuía tinha que esperar vir uma carta da prefeitura, preencher e enviar pelo correio, para assim poder receber após serem conferidos os dados.

Até aqui tudo bem, o governo até foi em rede nacional enfatizando quem possuísse o cartão iria receber o auxílio mais rapidamente, houve até um aumento de pessoas dando entrada para pedir o cartão.
A propósito, eu tenho esse cartão e fiz o requerimento no dia que disponibilizaram todo feliz por ter o cartão. Pois é, amigos meus que receberam a carta após quase 1 semana de eu mesmo dar entrada, receberam em média 1 semana antes o auxílio. Até teve noticiário japonês reportando que haviam várias prefeituras que, imprimiram todas entradas digitais para poderem checar e assim poder liberar, por isso estava demorando mais para quem deu entrada digitalmente.

A nível de trabalhos em geral, alguma empresas até tentaram trabalhar estilo Home Office / Trabalho Remoto, mas a necessidade de enviar fax, bater carimbo, fez que muitos tivessem que ir até a empresa no final das contas.
E so para enfatizar outro ponto interessante, muitos gerentes / chefes apontaram como dificuldades de se adaptar ao Home Office, não saberem como contabilizar o trabalho dos subordinados, não saberem medir o que foi feito, sentiram que não faziam nenhuma diferença pois não precisavam fazer nada.


No Japão de modo geral existe uma idéia de que, o mais importante é parecer ocupado do que ser eficaz.
E eu sinceramente entendo! Se você é eficaz, corre o enorme risco de ser recompensado com mais trabalho. Isso tudo porque são poucos os lugares e funções que tem descrição clara dos objetivos e funções. Mais difícil ainda trabalhar com métrica baseada em metas.

Mudanças

O que eu apontei até aqui, e que apontamos no vídeo, são apenas uma fração da realidade digital no Japão, porém, apesar de tudo isso, o Japão está disposto a mudar e está abraçando de vez o DX.

Isso é muito relevante para todos nós, e quem quer entrar na área de TI, pois isso ajuda a criar oportunidades. As dificuldades em termos de idioma e cultura prevalecem, pelo menos até o atual momento, mas muita coisa já mudou desde o início de 2020, e podemos esperar ainda mais!

Sabemos que o Japão é metódico e pouco flexível, mas esse mesmo Japão está abraçando o DX e está disposto a mudar! Ele ainda está perdido e se achando aos poucos, o que é bom! O importante é estar caminhando e progredindo.

E nós?

Bem, porque não entrar nessa onda DX, compartilhando os meus conhecimentos e aprender o que eles tem a oferecer também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Brasileiros de TI no Japão All rights reserved